PEV diz que “não haver motivos” para alterar voto contra estado de emergência

O líder parlamentar do Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), José Luís Ferreira, defende “o reforço das medidas de contenção” da pandemia, mas reitera que não se pode “confundir” medidas de contenção com estados de exceção.

António Pedro Santos/Lusa

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) considerou esta quarta-feira que “não haver motivos” para alterar o sentido de voto em relação à renovação do estado de emergência de 24 de dezembro até 7 de janeiro. O líder parlamentar do PEV, José Luís Ferreira, defende “o reforço das medidas de contenção” da pandemia, mas reitera que não se pode “confundir” medidas de contenção com estados de exceção.

“Temos consciência da gravidade da situação, defendemos que é necessário o reforço das medidas de contenção, mas não misturamos nem confundimos estado de emergência com as medidas de contenção, porque são realidades distintas, a menos que se queira confundir as pessoas”, disse José Luís Ferreira, à saída de uma reunião com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre a renovação do estado de emergência.

José Luís Ferreira reiterou que não é necessário declarar estado de emergência para tomar medidas para travar a pandemia, como o reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Disse ainda que “algumas medidas tomadas que só contribuirão para prejudicar a vida as pessoas e das empresas”, com foi o caso do encerramento obrigatório de micro, pequenas e médias empresas, sobretudo do setores do comércio e restauração.

Até ao momento, os três primeiros partidos ouvidos na ronda de audiências sobre a provável renovação do estado de emergência até 7 de janeiro (Iniciativa Liberal, Chega e PEV) anunciaram que irão votar contra o estado de emergência. No caso do PEV, o partido votou sempre contra todos os estados de emergência desde março.

Sobre a possibilidade de as eleições presidenciais de janeiro virem a acontecer sob estado de emergência, o líder parlamentar do PEV disse que não acredita que “haja qualquer intenção do Presidente da República ou do Governo em limitar direitos políticos” e lembrou que a lei impede que “haja limitações da ativa partidária e politica” e que a atividade política manteve-se, nos últimos meses, apesar da pandemia.

Relacionadas

“O Chega não poderá dar um voto em branco a este estado de emergência”, diz André Ventura

O deputado único e presidente do Chega, André Ventura, considera que as divergências “em questões de fundo” quanto às restrições aplicadas pelo Governo impedem o partido que lidera de votar a favor da renovação do estado de emergência e pede “estabilidade e previsibilidade” para o Natal. Admite ainda que as presidenciais possam decorrer “debaixo de um estado de emergência”.

“Não temos confiança neste Governo”. IL vai votar contra renovação do estado de emergência

O deputado único do Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, reitera que as medidas adotadas não têm sido “suficientemente justificadas” e recusa-se a dar “tantos poderes” ao Governo para “usar a seu belo prazer” no combate à Covid-19.
Recomendadas

Costa pede novas regras fiscais europeias que permitam investimentos estratégicos

Quando a União Europeia debate uma revisão das regras fiscais e financeiras o primeiro-ministro, António Costa, considera que existe uma proposta da Comissão que já tem “contributos muito positivos”, no entanto, é necessário, para além desses contributos, “um estabilizador macroeconómico permanente”, para “estabilização em situações de crise”.

Detida vice-presidente do Parlamento Europeu em investigação de lóbi ilegal do Qatar

A social-democrata grega Eva Kaili, está entre os cinco detidos na Bélgica no âmbito de uma investigação sobre alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo, diz a imprensa belga.

Eutanásia: Montenegro reitera dúvidas e diz que PS e Chega são “cúmplices no medo do referendo”

A Assembleia da República aprovou a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos a favor da maioria da bancada do PS, da IL, do BE, dos deputados únicos do PAN e Livre e ainda de seis parlamentares do PSD. Votaram contra a maioria da bancada do PSD, os grupos parlamentares do Chega e do PCP e seis deputados do PS, registando-se três abstenções entre os sociais-democratas e uma na bancada socialista.
Comentários