Marisa Matias considera “escandalosa” decisão da Galp de parar atividade de refinação em Matosinhos

“Uma decisão escandalosa, cerca de 700 trabalhadores ameaçados em plena crise por uma empresa que acaba de entregar dividendos recorde aos acionistas, um governo a lavar as mãos”, escreveu no Facebook a eurodeputada do Bloco de Esquerda.

A candidata presidencial apoiada pelo Bloco de Esquerda (BE) Marisa Matias classificou como “escandalosa” a decisão da Galp de parar atividade de refinação em Matosinhos.

“Uma decisão escandalosa, cerca de 700 trabalhadores ameaçados em plena crise por uma empresa que acaba de entregar dividendos recorde aos acionistas, um governo a lavar as mãos”, escreveu no Facebook a eurodeputada do BE.

Marisa Matias considerou que nesta matéria “nenhum planeamento ou transição preparada”. “Só deixar de produzir e passar a importar, tudo na mesma em emissões de CO2. Pode ser pior? Sim: o governo apresenta-nos tudo isto como resultado “dos Acordos de Paris”. Face à crise climática chamar transição energética à ganância das multinacionais e ao desemprego é um dos piores erros que se pode cometer”, completou.

Uma decisão escandalosa, cerca de 700 trabalhadores ameaçados em plena crise por uma empresa que acaba de entregar…

Publicado por Marisa Matias em Segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Do lado do Bloco de Esquerda, o partido pediu “com carácter de urgência” audição no Parlamento com o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, pelo encerramento da refinaria da Galp em Matosinhos, distrito do Porto. “Esta é uma decisão com enorme alcance para a economia nacional e para a região norte do país. Que tal decisão possa ser tomada sem qualquer forma de responsabilidade pública, ainda mais no presente quadro económico e social, é a demonstração do erro que foi a privatização das infraestruturas estratégicas do país”, frisou o BE no documento enviado à Assembleia da República.

Por sua vez, o Governo revelou estar preocupado com o futuro dos trabalhadores. “O Ministério do Ambiente e da Ação Climática manifesta desde já a disponibilidade para, em nome do Governo, reunir com a Galp e com as estruturas representativas dos trabalhadores, exigindo da empresa todo o empenho e sensibilidade social para procurar soluções para o futuro próximo”, segundo um comunicado da tutela na segunda-feira.

Na segunda-feira, foi anunciado que A Galp vai concentrar a atividade de refinação na Refinaria de Sines e deixar as operações de produção da Refinaria de Matosinhos.

Relacionadas

Refinaria de Matosinhos. Bloco de Esquerda chama ministro do Ambiente ao parlamento com urgência

O Bloco critica tanto a Galp como o Governo pelo encerramento da refinaria de Matosinhos. “O Governo deve explicar os termos em que pretende mobilizar para este processo verbas do Fundo para a Transição Justa, quando é evidente que ele não diz respeito ao cumprimento de metas de redução de emissões, mas sim ao aumento da rentabilidade acionista da Galp”, segundo os deputados do Bloco de Esquerda.

Refinaria de Matosinhos. Sindicato avisa que “estão em risco 500 postos de trabalho diretos mais mil indiretos”

O sindicato Fiequimetal alerta que 1.500 postos de trabalho estão em risco e critica o facto de a empresa ter aprovado o pagamento de dividendos este ano, numa altura em que a pandemia já estava a provocar uma travagem na economia. O sindicato pede ao Governo para fazer uso da participação do Estado na Galp para travar esta medida.

Bloco de Esquerda: Galp distribuiu “milhões de euros aos seus acionistas e está a despedir trabalhadores”

Catarina Martins criticou também o Estado por deter 7,5% da Galp, mas não usar a sua posição na empresa para tentar impedir o encerramento das operações de refinação em Matosinhos. A Galp pagou 580 milhões de euros aos seus acionistas relativo ao exercício de 2019, ano em que lucrou 560 milhões de euros.
Recomendadas

PS acusa PSD de “cortejar” um partido de extrema-direita

“O PSD fez um apelo à votação num vice-presidente à Assembleia da República num partido de extrema-direita. Não podemos deixar passar em branco”, realçou João Torres, referindo-se ao apelo que o partido laranja fez em relação ao “vice” do Parlamento do Chega.

Cotrim Figueiredo acusa PS e PSD de tomarem conta do aparelho do Estado

O líder do Iniciativa Liberal acusou o PS e o PSD de serem “dois partidos que se acham donos do sistema, que tomaram conta do aparelho do Estado e que acham que podem tomar estas decisões sozinhos”, referindo-se à discussão em torno do novo aeroporto.

BE acusa Governo de dar “grande prenda” à empresa que adquiriu aeroportos

O Governo “agora diz que vai estudar outra vez, o que na verdade já está estudado, e todas estas manobras são, sobretudo, uma grande prenda à multinacional que comprou os aeroportos portugueses ainda no tempo do Governo do PSD e CDS-PP”, acusou Catarina Martins.
Comentários