“Mercados em Ação”. “Imposto mínimo empresarial de 15%? Não nos vai tornar mais atrativos mas menos proibitivos”

A cimeira do G7 irá discutir medidas para uma “recuperação económica mais justa, sustentável e inclusiva que responda aos desafios únicos” que se vivem atualmente, anunciou esta sexta-feira a presidência dos Estados Unidos. Tema esteve em debate na última edição do programa “Mercados em Ação”, que contou com a presença de João Queiroz, head of trading do Banco Carregosa.

A decisão do G7 de instituir uma taxa mínima empresarial, equivalente ao IRC, de 15%, esteve em debate na última edição do programa “Mercados em Ação”, da plataforma multimédia JE TV. Programa contou com a presença de João Queiroz, head of trading do Banco Carregosa.

A cimeira do G7 irá discutir medidas para uma “recuperação económica mais justa, sustentável e inclusiva que responda aos desafios únicos” que se vivem atualmente, anunciou esta sexta-feira a presidência dos Estados Unidos.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, e os líderes do Grupo dos Sete países concordaram em continuar as suas políticas de apoio à economia global “enquanto for necessário” para criar uma recuperação “forte e equilibrada”, de acordo com uma declaração da Casa Branca.

De acordo com a nota, as sete economias mais desenvolvidas procuram que a saída da crise gerada pela pandemia “beneficie a classe média e as famílias trabalhadoras”.

Relacionadas

Lagarde, os preços americanos e o IRC a 15%. Veja o “Mercados em Ação”

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.
Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários